sexta-feira, 26 de maio de 2017

Nossas escolhas em Cinque Terre, faça as suas!

Existe o velho dilema de o quanto devemos planejar antes da viagem, e o quanto é legal "deixar rolar".

Antes eu era totalmente avessa a viagens totalmente programadas (todos os mínimos detalhes), como por exemplo viagens em grupo, excursões. Hoje penso que há modos de viajar que se adequam a cada tipo de perfil, e em alguns casos, é sim, super interessante viajar com alguém coordenando tudo por você.

Eu, que curto fazer isso (faço para mim e para quem me pede), tenho um trabalhão pesquisando coisas antes de embarcar...

Essa viagem que fizemos agora para a Itália (comecei a falar aqui e aqui) me exigiu bastante planejamento, já que optamos por fazer tudo de trem. Então tive que casar horários, pesquisar localização

Mas existem coisas que acontecem no meio de viagem, ou mudanças de planos, que tornam tudo mais divertido, não é mesmo?

Comecei falando isso, porque, ao pesquisar sobre Cinque Terre, os passeios, etc, você fica meio perdido com tanta informação. São cinco cidades, várias trilhas, quais escolher, o que fazer, como se locomover entre as cidades?

O interessante é que, ao chegar lá, você percebe que a coisa é tão voltada ao turismo, que fica muito fácil e auto-explicativo fazer as escolhas em Cinque Terre. Primeiro porque é tudo sinalizado, fácil, disponível. Segundo porque você observa o fluxo e ele mesmo te guia.

Então, pesquise sim, sobre as trilhas e cidades antes de ir. Mas deixe um pouco para resolver lá. Pois nenhum planejamento vai ser assim tãaao perfeitinho. Se você gostar mais de uma cidade, fica lá mais tempo, se não gostar de andar de barco, vai só de trem. e por aí vai.

É fácil locomover-se em Cinque Terre, mas lembre de uma coisa: se você for na alta temporada (JUN-JUL-AGO) prepare-se para ver filas para o trem, para os ferrys, etc. Fique calmo, peça um Limoncino Spritz e relaxe! ;)

 NOSSA ESCOLHA DE ROTEIRO EM CINQUE TERRE (BASE EM MONTEROSSO)

TRILHA - De manhã, fizemos a trilha Monterosso al Mare - Vernazza: cerca de 10km, fizemos a trilha da encosta (porque há outras que vão por dentro, passando por igrejinhas). A vista é LINDA, mas saiba que são MUITOS DEGRAUS de subida (caso faça o percurso Vernazza-Monterosso, será descida). E levamos cerca de 2h30. Precisamos comprar o CINQUE TERRE CARD, que é vendido dentro das trilhas (há uma casinha), e custou 16 euros por pessoa, incluindo as entradas nos parques (trilhas), além de trem e ônibus internos (que para ser sincera nem vi) naquele dia.

A trilha tem sempre gente indo e voltando, e tem um tiozinho vendendo suco de limão no meio. As vistas são inesquecíveis. Acesse o site oficial do Parque nacional de Cinque terre, que tem as informações detalhadas de cada trilha, níveis de dificuldade, tempo necessário, etc. Inclusive, seja por questões climáticas ou manutneções, alguns trechos podem estar fechados. Confira antes. Veja:

http://www.parconazionale5terre.it/
Neste site estão todas as opções de deslocamento entre as Terre, e todas as trilhas disponíveis. São inúmeras, veja lá!


Lindo demais - trecho Monterosso - Vernazza (pela encosta)


A chegada é emocionante...

Preços bons em Vernazza



Vernazza - praia
 TREM - Fizemos o trecho Vernazza-Riomaggiore (veja mapa) de trem. Saiba que as 5 cidades são ligadas por trem, e os percursos duram de 5 a 10 minutos. A linha completa é Levanto-La Spezia, por isso muita gente monta base nessas duas cidades, em vez das Terre, que são mais caras (e certamente mais charmosas). Se comprar o bilhete avulto, custa cerca de 4 euros cada, mas se tiver comprado o CINQUE TERRE CARD, estão inclusas as viagem de trem naquele dia.


Riomaggiore, os famosos cones de frutos do mar... que resiste?
 FERRY - Para retornar a Monterosso (de Riomaggiore, a Terre mais ao Sul), escolhemos fazer de ferry, daí passamos em Manarola e Corniglia, que são menores (e também belas) neste retorno. O Ferry custa 12 euros por pessoa, e pára em cada uma das 5 cidades. Essa opção é legal porque ver as cidade do mar é bem interessante, aquela famosa vista das casinhas cravadas nas pedras. Muito lindo.

Enfim, faça seu mix de opções de deslocamento, como gostar mais! E o melhor, nem precisa decidir tudinho antes. Caminhe, se animar faça outra trilha. Se cansar, vá de trem. Se não quiser mais trem, vá de Ferry. E tire um tempinho para curtir melhor as cidadezinhas que mais gostou. A nossa, foi Monterosso...tiramos um dia só para passear lá, sem pressa.
De ferry, Manarola

Corniglia


Se jogue em Cinque Terre, e faça do SEU JEITO. 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Base em Monterosso al Mare, ótima escolha!

A primeira parada da viagem foi Cinque Terre.

Para chegar em Monterosso al Mare, onde escolhemos para "montar base" em Cinque Terre (para usar o jargão dos viajantes, rs), decidimos ir direto assim que pousamos em Milão, que foi nosso aeroporto de chegada. Voltaríamos ao final para Milão, aí sim ficaríamos mais tempo.

Portanto, para chegar a Monterosso partindo de Milão (Malpensa), fizemos o seguinte:

MALPENSA EXPRESS - pegamos o trem que sai de dentro do Aeroporto de Milão (é MUITO BOM quando há essa possibilidade, assim como em Lisboa e outros aeroportos!), e fomos até MILANO CENTRALE, a estação principal de Milão, de onde partem os trens, metrô e ônibus para vários lugares.
Cerca de 40 min de duração, 13 euros por pessoa.

De lá, pegamos o TREM DIRETO DA INTERCITY a Monterosso al Mare, cerca de 3h de duração, 28,50 Euros por pessoa. Comprei daqui, pelo site da TRENITALIA, e levei o bilhete impresso.

Portanto, decidimos encarar a pauleira de vez, e fazer este deslocamento logo. Assim, mesmo cansados, já dormimos em Monterosso, e pudemos começar os passeios em Cinque Terre logo no dia seguinte.

A chegada, por volta de 20h30, foi bem tranquila, e de cara ficamos encantados com tudo que víamos. Eu havia combinado com o Moreno, da nossa "pousada", (acho que posso chamar assim, guesthouse), que o procuraria no seu restaurante, que fica abaixo dos quartos. E ele estava lá, com um sorriso receptivo que foi como um "abraço".

Após nos mostrar nosso quarto, descemos e jantamos lá, até porque o cansaço era enorme. Mas QUE DELÍCIA....ótimo início. A pousada chama PIETRE DI MARE, e foi uma grata surpresa. Recomendo de olhos fechados! Fiz pelo Booking, consulte preço e veja fotos aqui. Localização muito boa, café e limpeza ótimos, wi-fi grátis.

SOBRE MONTAR A BASE DE CINQUE TERRE EM MONTEROSSO

Bom, nos apaixonamos por Monterosso assim que chegamos, mas quando amanheceu nossa impressão foi ainda melhor. Também pelo fato de termos sido tão bem recebidos na pousada, acho que a sensação fica melhor ainda né?

Eu havia pesquisado antes, que Monterosso era "a mais bonita" cidade das Terre, e decidi procurar hospedagem lá. Este fato é uma verdade, apesar de serem todas fofas, rs

Mas, além deste ponto, que pesou bastante na escolha, outro fator que percebi depois foi: os turistas deslocam-se entre as cidades de Cinque Terre, seja de trem, barco ou pelas trilhas, e como Monterosso é um pouquinho "maior" que as demais, acaba atraindo bastante gente na maior parte do dia.

Então, ao final do dia, quando voltamos dos passeios às outras cidades, percebemos que os turistas estavam saindo, de volta aos seus locais de hospedagem, e a cidade ficava mais livre para quem estava hospedado lá. Essa foi uma impressão que tive, achei interessante a opção de Monterosso por isso.

Quer ver por quê?


Chegamos á noite, no caminho da estação para a pousada. A estação fica próxima do centrinho, e a vista é linda.

De manhã, ficamos mais encantados ainda.

Pá!


Cidade linda e charmosa ;)




Na próxima postagem vou falar sobre como montamos os passeios entre as 5 cidades de Cinque Terre.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Itália em Maio: clima e início de conversa, Ciao!

Um fato: como a Itália é linda!

País multi-mega-variado nas possibilidades turísticas, programas, preços, logística, etc. Costumo dizer que é um país que não "se basta" em uma, duas, ou três viagens...

Acabamos de voltar de lá, e desta vez, optamos por um roteiro que eu "já namorava" faz tempo...Cinque Terre e Costa Amalfitana.

Como era de se prever, estou apaixonada pela Itália novamente (o roteiro que fizemos em 2011 está na tag Itália do blog).

O roteiro foi:

Cinque Terre - Monterosso Al Mare, Vernazza, Manarola, Corniglia e Riomaggiore (ficamos em Monterosso)

Nápoles

Costa Amalfitana - Positano - Amalfi - Capri (ficamos em Positano)

Sorrento e Pompéia

Milão

Vou detalhar cada um deles, como escolhemos os transportes, os preços, as bases, o que deu certo e o que deu errado...etc. Vou explicar minhas opções em cada uma das cidades. Que a aventura comece ;)

Clima: Itália em Maio

Para dar início, adianto que o clima na Itália (Cinque Terre e Costa Amalfitana) em Maio é gostoso, pois é friozinho de noite, e no início da manhã, tipo 16C e quente durante o dia, cerca de 25C. Chegamos a pegar sol (de se bronzear...) e mergulhar, mas a água é CONGELANTE. Estamos acostumados a água bem gelada, portanto nos arriscamos. Mas início de Maio ainda não é "beach weather". Acho importante frisar isso, pois tentei achar essa informação antes de ir e não encontrei.

Então o tipo de roupa que usamos foi roupa leve de dia, e casaco à noite. Echarpes sempre ajudam né...pois você leva na bolsa/mochila, e assim que bate o vento você saca. Já de volta a Milão, que fica ao Norte, aí sim usamos CASACO MESMO o dia todo.

Vou detalhar a partir de agora... e estou à disposição para ajudar nos roteiros ;)

Ciao! 

Monterosso, subida da trilha


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Quanto custa viajar para...

Eba!!! Se volto a postar nesse cantinho que adoro é porque boas novas se aproximam... ;)

Uma dica bem legal que tenho usado no planejamento das próximas férias é a plataforma QUANTO CUSTA VIAJAR.

Sempre que vou a um lugar que não conheço, busco em blogs e sites informações sobre os custos básicos deste lugar, por exemplo, refeições, atrações, transportes...etc Algumas vezes encontro, e outras, não!

Sabe aquele tipo de dúvida: quanto custa jantar em Positano? Quanto custa o ferry em Capri? Quanto custa o Museu X?

Este tipo de informação (como preço de alimentação, por exemplo) não precisa ser "exata", mas ajuda a "compor" o orçamento global da viagem, que, logicamente, deve ser flexível em certa medida. Isso é principalmente importante em viagens mais longas. Se você precisar controlar orçamento, claro, rs.

Voltando ao site, nele você pode selecionar a cidade:


E dentro da página do lugar, você vai navegando no tipo de custo que está interessado. Ótimo né?


Olha que legal a aba alimentação, dá uma boa referência de valores e inclui o "indice Big Mac", que é um comparativo mundial (como se fosse uma cotação) dos preços do famoso sanduba.


Claro que, em determinado ponto, ele te dá a chance de contratar alguns serviço ;) , este é o marketing touch da plataforma.

To curtindo a deliciosa fase de planejamento!

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Onde deixar as malas em Paris?

No nosso último dia de viagem, o vôo sairia às 23h de Paris. Tínhamos, ainda bem, um dia inteiro para curtir... Mas me lembrei, um dia antes, que eu não havia combinado com o anfitrião do apartamento, sobre horário de checkout, que de praxe é até às 12h. 

Por via das dúvidas, na noite anterior mandei mensagem ao dono do ap. pedindo para deixarmos a mala lá (em um canto, fechadinha). Ele consultou os próximos hóspedes (a tecnologia proporciona essa rapidez fantástica;) !, e eles disseram que tudo bem, pois só entrariam no apartamento à noite.

Enfim, nem precisamos, mas fuçando a internet descobri que existe lugar para deixar as malas/bagagens guardadas em Paris (sem ser no aeroporto, o que seria super fora de mão!)!! A empresa City Locker, essa excelente idéia para deixar as malas guardadas durante períodos de 24h dentro de Paris. Também é possível armazenar por períodos maiores entrando em contato por email com eles.

O processo é bem fácil, todo feito pela internet. Você seleciona o local onde vai deixar as malas, paga (cartão, Paypal, etc) e recebe um código para digitar na porta e no armário. Simples assim. Entre e conheça melhor no site deles (tem versão em português). 

Passamos em frente (acidentalmente!!) a uma das 13 lojas deles, a de Saint-German-des-Prés e vimos que é seguro e bem detalhado. Não tem funcionário algum! 

Oferecem wifi , caso você passe desavisado e decida fazer a contratação na hora. Coisa de cidade voltada para o turismo! Demais né? 



sexta-feira, 29 de maio de 2015

Minha experiência com AirBnB em Paris!

Paris é uma daquelas cidades (assim como Nova York, Roma, Amsterdam...) em que hospedar-se bem requer uma dose extra de cuidados. Há muitos hotéis bons (que em sua maioria são bem caros), inúmeros hotéis medianos (quase todos mais antigos, alguns "caindo aos pedaços") e alguns bons, mas muuuuito afastados da cidade.

Por isso mesmo, Paris é das cidades em que vale a pena alugar apartamento. Você tem a chance de ficar em uma localização top, pagando menos que um hotel na mesma região.

Estava doida para testar o AirBnb, e vou dividir aqui minha primeira experiência de aluguel de apartamento, em Paris. O site em si é de muito fácil navegação, visual agradável e opções de apartamentos e casas mil! Já confessei, outras vezes, que adoro essa parte de escolher a hospedagem...fico semanas, meses escolhendo, comparando, rs.

Você poder filtrar sua busca com inúmeros itens, de acordo com sua necessidade. Por exemplo, até mesmo restringir a locais que tenham elevador! (para quem vai com criança, carrinho, etc é primordial, rs!).

Ao clicar em um apto, você vai à uma página que te mostra o preço da diária (e mais taxas, se houver), o perfil do anunciante/anfitrião, fotos e o mais legal: os comentários de quem já ficou no lugar.

Este é o perfil do apartamento, vejam que, mesmo um tempo após a estadia, o preço da diária continua na média que pagamos, cerca de 100 euros. Muito bom valor comparado aos bons hotéis na região
(que estão de 200 euros para cima)
Esse é o link do apartamento que alugamos, para o período de 19 a 23 de abril de 2015. Como já conhecíamos Paris, e na outra vez nos hospedamos em Cambronne (falei aqui), queríamos conhecer outra área. E navegando no AirBnB, me apaixonei pela Ile de St.Louis, aquela ilhazinha no centro de Paris, ao lado da Ile de la Cité, onde fica a Notre Dame.

Desde que nosso pedido de reserva foi aceito, troquei mensagens com o dono, Xavier, e fui tirando algumas dúvidas de maneira bem tranquila, até o dia de chegada. Ele explicou onde estaria as chaves, código de entrada da porta, senha de wifi...etc.

Fica na região mais central da Paris, por isso mesmo, onde ficam os hotéis mais caros da cidade. Fala se não é um luxo poder hospedar-se na ilha, por um preço amigo!? S2 !!

Vamos à estadia. Chegamos em Paris, vindo de Lisboa, à noite (22h30), e a cidade estava deserta. Descemos numa estação de metrô bem próxima ao ap (um dos pontos positivos) e caminhamos bem pouco até a ilha. Bem fácil de achar, já que Xavier, o anfitrião, já havia passado as coordenadas. Após uma certa dificuldade em conseguir ativar o wifi (liguei para o Xavier do aparelho que há no apartamento e resolvemos), tudo correu perfeitamente.

Quando o dia amanheceu, já nos sentíamos em casa. Esta, aliás, é a grande vantagem de alugar apartamento. Você abre mão de certos luxos do hotel, mas em compensação fica como um local.


Cozinha, tudo integrado ao quarto. Tem todos os utensílios necessários.

Vista de uma janela, na verdade tipo uma "báscula".

Dá para ver o quarto, como podem perceber, é pequeno. Para um casal é ótimo. Tudo bem novinho e limpo.


Tem escada e elevador, daqueles que cabem 2 pessoas...

Entrada do prédio.

Pátio interno, pois há 2 prédios.
 ARREDORES






Estação SULLY-MORLAND, bem próxima.

Rio Sena, nosso vizinho....S2

 Adoramos a experiência, e recomendo, tanto o site quanto o apartamento!  

Relembrando um detalhe: em algumas cidades, como Lisboa, Atenas, e outras, a hospedagem em hotel é mais barata, daí talvez o aluguel de apartamento não compense tanto...Pesquise! ;)

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Bate-e-volta que vale a pena: Guimarães!

Temos um pouco de preguiça de bate-e-voltas, pelo fato de que na maioria das vezes dá vontade de ficar mais no lugar...pela mão de obra de ir e voltar...etc.

Mas Porto-Guimarães é um passeio fácil e rápido. E sim, um dia lá dá para curtir bem.

Ah, escolhemos Guimarães pois meu marido tem o sobrenome Guimarães (e eu, depois de casada!), e queríamos conhecer mais sobre a origem do nome, a história...Descobrimos, para nossa surpresa, que Guimarães teve papel primordial na fundação de Portugal como país!

A linda estação de trem São Bento - Porto.
 Compramos o ticket na hora, e pegamos o trem de 10 e pouco, e demorou 1h10, percurso agradável. Custou 3 ou 4 euros/pessoa, não guardei o bilhete.



Estava friozinho nesse dia (Abril), mas a cidade é lindinha demais. Estava quase deserta...



As ruazinhas eram só nossas! Demais!!



Almoçamos no restaurante BUXA (foto). Uma delícia. Quem quiser uma indicação, vá sem medo.

Subida para o Castelo. Aí começamos a ver grupos de turistas voltando. Ufa...


D. Afonso Henriques, 1º Rei de Portugal
 Castelo de Guimarães

É daqueles castelos medievais, sem ouro e glamour! Bem Game of Thrones! 


Adoramos o passeio! Visite Guimarães!

Pegamos o trem de volta por volta de 17h, e ainda aproveitamos a noite no Porto!